Destino


Fez-se curva entre meu verso e o lírico
Depois de tantos lastros em desabafos
A lira sempre exagerada na pele
O desejo exposto em palavra

-Silencio-

Silencio e quase me envergonho
De tanto remo,
Tanta corrida, torcida, treino
Para acabar náufraga.

Doem-me os ossos
As entranhas
A cabeça

O tombo me arrastou o coração
Me roubou a métrica
Me tirou êxtase

Aguardo ansiosa
A volta da alegria,
Do bem, da alforria
Da lira e do riso
Do meu coração
Anúncios

2 comentários em “Destino

  1. Sede de amar cada vez mais a cada instante,
    como um encanto…

    Como dói o pós amor.

    “Doem-me os ossos
    As entranhas
    A cabeça”

    Caio F. diria que a dor é similar um salto alto pisando sobre o peito.

    Eu acho que é mais.

    Clau

    Sempre profunda em suas palavras.
    Gosto muito!

    Beijão
    Fica super bem

    Curtir

  2. Querida,

    Que lindos versos!!! Acredito que estejamos vivendo momentos parecidos, ainda que em realidades diferentes!

    Muitas vezes, o desespero profundo surge para que possamos recomeçar com ainda mais garra!

    Como digo… “o fundo do poço tem mola”!

    Beijos, amadinha!! Amooo o que você escreve!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s